Pai troca sua própria filha pelos 20. 000, 00mts no distrito de mabalane em Gaza

0

Pai troca sua própria filha pelos 20.000 e 5 cabeça de gado bovino.
Vicente Cossa, pai da menina, residente em Tsinane, posto administrativo de Tlhavene obrigou a menor de 15 anos de idade em troca de 20 mil meticais e 5 cabeças de gado bovino e um garrafão de vinho.
Vicente Cossa disse que terá ouvido aos terceiros, que a menina tinha um caso com o jovem do distrito de Massingir e depois tanta exigência o genro deslocou-se a sográria com os bens exigidos e alguns foram destinados para casa dos avos da menina como tradição.
A fonte explica ainda que depois de ter recebido os bens do genro e a família, a rapariga abandonou a casa dos pais para viver com um outro rapaz.
Segundo Vicente a menina lhe faltava respeito e envergonhava lhe na aldeia, razão pela qual preferiu lhe seguir ate onde estava, bateu ate que ela aceitasse voltar para o genro escolhido pelos pais de modo a não devolver as coisas recebidas e lhe expulsou de casa para viver com o marido da preferência dos pais em Massingir.
Ele disse ter achado normal em receber os bens do genro da sua preferência porque a liderança no dia de lóbolo estava presente e assistiu tudo e a própria liderança voltou a exigir mais uma cabeça e o valor monetário de 5 mil meticais no rapaz escolhida pela menina alegando que estava a pagar multa por ter arrancado a mulher de dono.
Ermelinda Cossa conta que o pai lhe obrigara a casar com o jovem que foi cobrado o valor de 20 mil meticais facto que chegou ate ao ponto de a menina ser agredida pela sua própria família.
Ermelinda disse por outro lado que foi ficar em Massingir porque queria agradar o pai facto que não é da sua primazia.
Por seu turno o líder comunitária daquela aldeia, Alberto Ngovene, confirma ter assistido a ocorrência na família, pois faz parte dela, e ele foi um dos convidados, não como Líder mas sim como civil e não tinha como abordar o assunto a família.
Ngovene acrescentou ainda que sempre os líderes são sensibilizados a nível do distrito para negarem estes casos de casamentos prematuros nas aldeias que lhe levou a não dizer nada sobre o assunto, e que não foi convidado como líder.
De referir que o distrito de Mabalane a maior parte das crianças envolvidas nos casamentos prematuros são raparigas com 41 por cento e dos 14- 16 anos de idade.

Partilhar em:

Leave A Reply


*